Trilhas

A expansão das atividades de aventura tem crescido bastante nos últimos anos. Segundo Tahara e Schwartz (2002) apud Tahara e Schwartz (2003) “os esportes de aventura oferecem a possibilidade de vivenciar sentimentos de prazer, em função de suas características que promovem, inclusive, a ampliação do senso de limite da liberdade e da própria vida”. Fazer trilhas tornou-se umas das atividades mais praticadas pelos adeptos do ecoturismo e de esportes de aventura. De acordo com o Relatório Diagnóstico Turismo de Aventura (2005) a caminhada é a atividade de turismo de aventura mais oferecida pelas organizações que elaboram produtos e serviços ligados a este segmento.

O verbo trekken significa migrar. A palavra trek teve sua origem na língua africâner e passou a ser empregada pelos vortrekkers, imigrantes europeus oriundos da Holanda, França e Alemanha que colonizaram a Cidade do Cabo, atual África do Sul, durante os séculos XVII e XVIII (RALLY A PÉ, 2014). “Os caminhantes e exploradores começaram a usar o termo trekking para definir as grandes e difíceis caminhadas em busca de locais a serem descobertos” (SANTOS, 2005 apud ZOLET, 2006, p. 35). Nesse período, o único meio de locomoção era a caminhada, portanto, o verbo trekken carregava uma conotação de sofrimento e resistência física. Quando os britânicos invadiram a região, a palavra foi absorvida pela língua inglesa e passou a designar as longas caminhadas realizadas pelos exploradores em direção ao interior do continente. De acordo com Santos (2005) apud Zolet (2006) pode-se constatar que: Com o domínio dos ingleses sobre está região da África do Sul, a expressão trekking deixou de ser restrita ao povo que lhe deu origem e passou a ser incorporada também no vocabulário da língua inglesa. Desta forma, seu uso
foi se propagando, até chegar e ser aplicada mundialmente (p. 35). Muitos aventureiros começaram a chegar à região da África do Sul em busca de fortes emoções e integração com a natureza. Nesse momento o trekking começa a se configurar como uma prática esportiva e de lazer também conhecida pelas denominações hiking ou backpacking (BITENCOURT; AMORIM, 2005 apud ZOLET, 2006). O hiking é considerado uma caminhada de curta duração, de poucas horas que não ultrapassa um dia. Pode se considerar que, “atualmente, a palavra trekking já é bastante conhecida. No entanto, seu significado tem sido empregado para definir uma maneira bem mais prazerosa de caminhar, em relação ao significado que lhe deu origem” (SANTOS, 2005 apud ZOLET, 2006, p. 36).

O idealizador do Rally a pé, Beni Becker defende que a atividade esportiva de nome trekking de regularidade na verdade não poderia utilizar o termo “trekking”, pois de acordo com o explicado, a palavra trekking passou a significar caminhadas de mais de um dia, ou seja, com pernoite. Por esse motivo prefere utilizar o termo Rally a pé, sendo este apresentado com as mesmas características do “trekking de regularidade”. Portanto, pode-se concluir que a atividade esportiva conhecida como trekking de regularidade, termo pelo qual será utilizado no presente trabalho, possui outras denominações: Enduro a pé ou Rally a Pé.

A palavra trekking vem sendo incorporada ao vocabulário brasileiro e, a cada dia reúne um numero maior de adeptos pelo mundo todo (360 GRAUS, 2006). Além de ser considerada uma caminhada em ambientes naturais como florestas, montanhas, rios, trilhas, entre outros, o trekking também pode ser uma expedição ou um desafio, geralmente praticado em grupo. Os principais objetivos para a prática do esporte é caminhar por uma trilha para se chegar até uma cachoeira no meio da mata, aproximar-se da natureza, superar os próprios limites do corpo e da mente, encontrar locais ainda inexplorados. (360 GRAUS, 2006).
O trekking de regularidade, na maioria das vezes utiliza a natureza para o desenvolvimento de suas atividades. Portanto, desperta o sentimento de proteção e conservação ambiental nos participantes, que precisam do espaço para a sua realização. O trekking de regularidade desenvolve o espírito de equipe e as habilidades individuais dos participantes.
Atualmente, o termo trekking é utilizado para definir um tipo de esporte de aventura no qual refere-se a uma “caminhada longa com pernoite, onde o cliente leva na mochila parte dos equipamentos” (EMBRATUR, 2002, p.03) e hikking “(de passear) caminhada curta, normalmente de meio dia ou um só dia, sem pernoite na trilha” (EMBRATUR, 2002, p.03).
Desde 1985 o Brasil começou a desenvolver a atividade organizando provas específicas. A partir dos anos 1990 o trekking se popularizou no Estado de São Paulo, e assumiu regras similares às competições de enduro (carro e moto), tornando-se também uma prova de regularidade, passando-se a se chamar enduro a pé. O trekking de regularidade tem apresentado nos últimos anos crescimento significativo.

Competições realizadas em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Bahia, Rondônia, Piauí, Minas Gerais, Ceará, Florianópolis, atestam o fortalecimento do esporte. A necessidade de unificação dos regulamentos e normatização do esporte surgiu devido a esse crescimento significativo no país. Em 2005 foi criada a Confederação Brasileira de Enduro a Pé (COBEP), a partir de federações dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo. Os principais objetivos da COBEP são difundir o esporte e reivindicar junto aos órgãos públicos o reconhecimento junto ao Conselho Nacional de Desportos (CND) como esporte de competição.

Foi aprovado em 2007, pela Confederação Brasileira o regulamento nacional para atividade, que é recomendado pela COBEP e fez parte das propostas de crescimento e unificação do esporte. Existem ainda a Liga Nacional de Enduro a pé, que objetiva difundir a atividade, unificar os regulamentos, dar apoio às provas existentes e criar novas competições, a Associação Brasileira dos Praticantes de Enduro a Pé (ABRAPEP) e a Federação Paulista de Enduro a Pé de Trekking (360 GRAUS, 2006). Entretanto, ainda não há uma regulamentação aprovada nacionalmente para ser utilizada por todas as empresas organizadoras de competições.
Atualmente, se podem encontrar alguns campeonatos regionais de trekking de regularidade como o Brasileirão de Trekking organizado pela Iron Adventure.

Eventos Ltda. No ano de 2014 as competições ocorreram entre os dias primeiro e três de maio na cidade de Ouro Branco no estado de Minas Gerais. O Campeonato contou com a participação de 120 (cento e vinte) equipes, distribuídas nas categorias Elite, Graduados, Trekkers e Novatos (BRASILEIRÃO DE TREKKING, 2014). Cabe aqui enfatizar que cada empresa tem o seu próprio regulamento, pois não existe um regulamento oficial da atividade. Neste caso, as categorias das equipes estão de acordo com o Regulamento 2014 referente ao Brasileirão de Trekking. Existem empresas que dividem as categorias somente em Elite e Trekker como é o caso da empresa Trilha Carioca no Rio de Janeiro.

Fonte: https://app.uff.br/riuff/bitstream/1/1102/1/312%20-%20Daniele%20Azevedo.pdf